Cabo da Polícia Militar acusado de matar namorada a tiros, alega insanidade mental

A defesa do policial militar, Manoel Bonfin dos Santos Silva, alegou que ele tem uma doença mental e que, por isso, é incapaz de entender o caráter ilícito de um feminicídio pelo qual é acusado.

PUBLICIDADE

A defesa de Manoel Bonfim dos Santos Silva Policial Militar que tirou a vida da ex-namorada Ana Rita Tabosa Soares, estão alegando que o PM tem doença mental e por isso não deve responder por feminicídio como está sendo acusado.

Até o momento o processo está suspenso aguardando os laudos da sanidade mental do policial.

PUBLICIDADE

O cabo está preso desde do mês de outubro pela morte da namorada Ana Rita, o caso aconteceu no bairro Silas Munguba em Fortaleza.

O casal estava em um restaurante, quando saíram do local discutiram e quando entraram no carro ela foi alvejada por vários disparos de arma de fogo.

PUBLICIDADE

O cabo foi preso em flagrante, a defesa do policial informou que ele estava sendo acompanhado por cerca de três anos por um médico especializado em doenças mentais.

A justiça aceitou o pedido e pediu os exames de sanidade mental, até o momento está aguardando para que saia o resultado, o exame será realizado por peritos oficiais do manicômio psiquiátrico Governador Stênio Gomes, o pedido foi de urgência.

PUBLICIDADE

Segundo o Ministério Público, amigos e familiares informaram que sempre haviam discussões e brigas entre o casal, Emanuel chegou a ameaçar Ana Rita de morte, segundo a polícia diversos disparos foram feitos dentro do carro.

Quando a polícia chegou ao local o cabo saiu do veículo se identificou como policial e pediu socorro para a vítima, ele foi preso em flagrante. Questionado sobre a motivação do crime, o PM permaneceu em silêncio, ele foi levado para o 5º Batalhão de Fortaleza.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Informe Cl

Colunista de notícias dedicada a escrever artigos de qualidade sobre saúde, TV, notícias de grande repercussão, notícias gospel e demais assuntos.