Jovem apanha dos vizinhos em Manaus após insultos racistas

Em entrevista, Dayse Brilhante, de 22 anos à Rede Amazônica, afiliada a Rede Globo, ela disse que passeava com o cachorro como de costume, quando notou estar sendo filmada por algumas mulheres em uma casa onde estava acontecendo uma festinha.

PUBLICIDADE

Uma jovem estudante universitária de Manaus acusou os vizinhos, inclusive um funcionário do Corpo de Bombeiros, de agressão por motivos racistas. O caso ocorreu no início da última quinta-feira (25) e foi gravado pelo circuito de câmeras do condomínio.

Em entrevista, Dayse Brilhante, de 22 anos à Rede Amazônica, afiliada a Rede Globo, ela disse que passeava com o cachorro como de costume, quando notou estar sendo filmada por algumas mulheres em uma casa onde estava acontecendo uma festinha.

PUBLICIDADE

Então ela disse que ouviu insultos racistas e foi perguntar o por quê. Quando ela saiu para continuar seu passeio com o cão, alega ter sido agredida e pega de surpresa pelas costas por uma mulher.

Na imagem, uma mulher correu por trás, deu um tapa na Dayse no rosto e começou a puxar os cabelos. A segunda mulher saiu do carro e participou da agressão. A estudante tentou se livrar, mas foi pega com força pelo braço por uma das mulheres.

PUBLICIDADE

Dayse disse na TV que ele conseguiu ir à casa e pedir ajuda. A mãe saiu para defender a filha, mas disse que também começou a ser espancada.

Letícia Brihante disse: “Perguntei por que eles fizeram isso com minha filha e eles responderam: ‘Esta mulher negra deve ser espancada, ela deve morrer.’

PUBLICIDADE

 

Vizinhos fizeram boletim de ocorrência com a jovem

A polícia civil informou ao site da UOL que o caso está sendo investigado. Segundo eles, 2 B.O. foram registrados, um para cada uma das partes envolvidas, com duas histórias contadas.

“Há informações de agressão e palavras racistas do dois lados da história”, em nota disse a Polícia.

Devido a acusação envolveu funcionários do Sistema de Segurança Pública, as investigações serão acompanhadas pela Corregedoria Geral, onde medidas necessárias serão adotadas, caso haja verdade das acusações e tudo seja de fato comprovado pelas investigações.

Difícil de acreditarmos que em pleno ano 2020, onde tantas pessoas vítimas de uma pandemia, o coração de muitos se preocupe ainda com credo religioso, cor e raça, sexualidade. Afinal, somos todos iguais perante a lei.

PUBLICIDADE

Escrito por News Report

Colunista de notícias, visando levar a informação à leitores diversos, através da internet, mídias sociais, redator de plataforma em diversos assuntos.