A Covid-19 não possui tratamento específico

Saiba tudo sobre as investigacões da Vacina contra o Coronavirus. A cura tão esperada.

PUBLICIDADE

OMS alerta: nenhuma vacina contra a Covid-19 está suficientemente avançada

Nenhuma das dezenas de vacinas contra a Covid-19 que estão sendo investigadas é avançada o suficiente para prever quando uma vacina eficaz e segura pode começar a ser produzida, disse esta sexta-feira a OMS.

“Seria precipitado prever quando uma vacina estará pronta”, disse Mike Ryan, diretor de emergências de saúde da OMS, que, no entanto, estima que os resultados sobre a eficácia das vacinas candidatas possam estar disponíveis até o final deste ano.

PUBLICIDADE

Nesse caso, as vacinas podem começar no início do próximo ano, mas isso dependerá de ter capacidade de produção suficiente, acrescentou. Ryan argumentou que o desafio será fortalecer a capacidade de produção ao mesmo tempo em que avança nos ensaios clínicos, o que, ele confirmou, vários grupos farmacêuticos planejam fazer.

A Covid-19 não possui tratamento específico

Em uma conferência de imprensa exclusiva para membros da Associação de Correspondentes Credenciados pela ONU em Genebra (ACANU), a cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, explicou que esta semana, em uma reunião remota em que participaram 1.300 cientistas de todo o mundo concordaram em que tipo de tratamentos a pesquisa deveria se concentrar.

PUBLICIDADE

O Covid-19 não possui tratamento específico, mas há evidências de que os ensaios devem se concentrar em quatro tipos: plasma antiviral, anti-inflamatório, antitrombótico e convalescente (extraído do sangue de pessoas recuperadas da doença e que desenvolveram anticorpos )

Sobre o antiviral remdesivir , a produção nos Estados Unidos foi completamente comprada pelo governo até agosto devido a indicações de que funcionaria contra o coronavírus, Swaminathan lembrou que não há evidências de que reduza a mortalidade.

PUBLICIDADE

Antivirais, anti-inflamatórios …

Por outro lado, observou-se que diminui o tempo de recuperação (onze dias de internação nos pacientes que receberam o medicamento, contra 15 no restante dos casos), mas seu uso é indicado apenas em casos críticos.

“Estamos analisando novos antivirais ou combinações (em tratamentos) de antivirais com medicamentos anti-inflamatórios para aumentar a resposta imune e incluí-los nos testes”, disse ele. Entre os anti-inflamatórios em que a esperança é colocada está a dexametasona, que pode ser usada nos estágios iniciais da doença.

PUBLICIDADE

Escrito por Jaqueline Matias

Colunista e redatores iniciante especializada em receitas e quitutes culinários mais badalados do momento no nicho!