Até o momento, mais de 104 milhões de pessoas tiveram o pedido de auxilio emergencial negado pelo governo

Os cadastros realizados são analisados pela Dataprev, empresa de tecnologia ligada ao Ministério da Economia, juntamente com apoio do Banco do Brasil.

PUBLICIDADE

Muitas pessoas tentaram se cadastrar para conseguir receber o auxilio emergencial no valor de 600 reais fornecido pelo governo, porém, mais de 104,1 milhões de pessoas tiveram o beneficio negado.

Isso com base nos dados que foram atualizados e divulgados pela caixa econômica federal até a noite desta última sexta feira, dia 10 de abril.

PUBLICIDADE

Nesta lista estão desde aqueles que não possuem o direito porque não estão incluídos no cadastro único do governo, as fraudes e até queles que estão desinformados sobre as relação de critérios exigidas para a inserção do beneficio.

Conforme a lei, os pedidos feitos para serem beneficiados pelo auxilia, são analisados pela Dataprev, uma empresa de tecnologia ligada ao ministério da economia, juntamente com o apoio do Banco do Brasil.

PUBLICIDADE

O governo tem sido muito rigoroso em relação á possíveis fraudes no auxilio, a policia federal e a Agência Brasileira de Inteligência, Abin que já estão trabalhando no mapeamento das pessoas que estão aproveitando o momento para tirar proveito da situação.

A caixa econômica comunicou que pelo menos 31,5 milhões pessoas conseguiram concluir o cadastro até essa última sexta feira. E teria sido emitidas mais de 135,6 milhões de mensagens de texto para celulares com a confirmação de cadastramento do beneficio.

PUBLICIDADE

Já na central 111 disponibilizada para ajudar á população á esclarecer informações ou tirar duvidas, computou mais de 8,6 milhões de ligações.

A diferença entre a quantidade de cadastros que foram aceitos e o número de mensagens de texto que foram enviadas para confirmação, aponta a quantidade de brasileiros que não possuem direito á receber o auxilio de 600 reais.

O auxilio proposto pelo governo no valor de 600 reais, será pago aos brasileiro em 3 parcelas, isso durante a pandemia do coronavírus pelo país, e quem possuí o direito a receber são os trabalhadores informais, intermitentes inativos, autônomos e mães que criam seus filhos sozinhas.

Para poder ter direito a receber o valor, é preciso que a pessoa não esteja recebendo nenhuma aposentadoria, nem seguro-desemprego, ou nenhum outro tipo de beneficio que seja do governo, com exceção do bolsa família.

PUBLICIDADE

Escrito por Margareth Santos

Gosto de dedicar uma parte do meu tempo levando noticias e informações através de matérias relacionadas a tudo, inclusive de saúde, culinária, famosos e do mundo da maternidade.