Até que ponto uma mãe pode confiar no pai de seus filhos? “Pai de 35 anos é preso suspeito de molestar a filha de 12 anos”

O dever de um pai é amar, cuidar e proteger seus filhos.

PUBLICIDADE

O que se espera de um pai é que ele venha cuidar, amar e principalmente proteger os filhos, mas não é bem assim que tem acontecido em muitas famílias.

A Polícia Civil prendeu neste sábado (29) um pai de 35 anos que é suspeito de molestar a própria filha, uma adolescente de 12 anos.

PUBLICIDADE

O caso aconteceu na região metropolitana de Belo Horizonte na cidade de Conselheiro Lafaiete e de acordo com informações da delegada responsável pelo caso Isabela Menegassi, o crime teria acontecido na última quinta-feira (27) e o responsável era o pai da garota, um homem de 35 anos que aproveitou o momento em que a garota dormia ao seu lado.

Os pais da garota de 12 anos são separados e para que a menina não se afastasse do pai ela estava passando alguns dias na casa da avó materna, mas na companhia do pai.

PUBLICIDADE

Os dois dormiam na mesma cama até que na madrugada a menina acordou com o ato do próprio pai. A polícia descobriu que o homem tentou impedir a garota de contar para sua mãe, ele teria pedido a ela para não dizer nada sobre o ocorrido, mas a adolescente contou tudo para mãe que logo chamou a polícia.

De acordo com as informações da própria mãe da garota, o pai estava na casa da família na intenção de resolver alguns problemas pessoais e aproveitar o tempo para se aproximar de sua filha.

PUBLICIDADE

De acordo com a Polícia Civil o suspeito disse que tudo seria uma invenção da mãe da criança que não quer que ele leve a filha para morar com ele, pois essa é a sua intenção.

O caso gera muita discussão, pois até que ponto uma mãe pode confiar no próprio pai de seus filhos já que são inúmeros os casos como esse que acontecem por aí?

 

PUBLICIDADE

Escrito por Informe Cl

Colunista de notícias dedicada a escrever artigos de qualidade sobre saúde, TV, notícias de grande repercussão, notícias gospel e demais assuntos.