Atenção, pesquisadores alemães descobrem o novo coronavírus no leite materno de mãe infectada

Apesar da descoberta os cientistas dizem que ainda não é possível provar que a criança tenha se infectado com o coronavirus através do aleitamento materno ou pelo contato físico.

PUBLICIDADE

Os pesquisadores de uma universidade na Alemanha descobriram o coronavirus pela primeira vez presente no leite materno de uma mulher que foi infectada pela covid-19.

De acordo com a publicação os cientistas fizeram análises no leite materno de duas mulheres que apresentaram sintomas da doença enquanto estavam internadas no hospital depois de terem dado a luz.

PUBLICIDADE

As mães e os bebês recém-nascidos testaram positivo para o novo coronavirus. Os resultados das análises feitas pelos cientistas foram publicadas em uma revista e as amostras do leite da mãe que foi diagnosticada primeiro não continha os traços de RNA viral, mas já a amostra do leite materno da segunda mãe que só apresentou os sintomas depois de ter recebido alta deu positivo por 4 vezes consecutivas.

Apesar da descoberta os cientistas dizem que ainda não é possível provar que a criança tenha se infectado com o coronavirus através do aleitamento materno ou pelo contato físico com a mãe logo após o nascimento.

PUBLICIDADE

Com a suspeita de estar infectada pelo coronavirus a mãe precisou usar máscara no momento de amamentar o filho e precisou desinfectar as mãos, o peito e também a mamadeira que era usada em algumas ocasiões, mas apesar de todos os cuidados a criança também testou positivo para doença.

O estudo mostra que o SARS-CoV-2 pode estar presente no leite materno das mulheres que apresentam infecção em estágio agudo, no entanto não é possível afirmar com que frequência isso pode acontecer e nem se o vírus pode ser transmitido ao bebê através da amamentação.

PUBLICIDADE

Os cientistas revelaram que depois de 14 dias tanto as mães como os bebês já estavam completamente curados da infecção.

Geralmente a forma de contágio mais comum do coronavirus é através das gotículas de saliva que são expelidos no momento em que se fala. A recomendação da Organização Mundial de Saúde é que a amamentação seja interrompida apenas em casos de infecção com sintomas graves e severos que possam impedir o aleitamento materno.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Informe Cl

Colunista de notícias dedicada a escrever artigos de qualidade sobre saúde, TV, notícias de grande repercussão, notícias gospel e demais assuntos.