Bolsonaro veta projeto que prioriza pagamento de mãe e pais solteiros no auxílio emergencial

O veto esteve presente oficialmente no Diário Oficial da União nesta quarta-feira

PUBLICIDADE

Com a chegada da pandemia do novo coronavírus ao Brasil, o governo colocou no ar o auxílio emergencial que visava ajudar financeiramente os brasileiros durante a quarentena.

Desde a criação do auxílio, muito se discutiu a respeito dos pais e mães solteiras poderem receber duas cotas do valor de 600 reais.

PUBLICIDADE

Recentemente o presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, vetou o projeto de lei que dava a prioridade que os pais e as mães solteiras precisavam em relação ao auxílio emergencial. Durante a madrugada desta quarta-feira, dia 29 de julho, o veto estava presente do Diário Oficial da União.

O projeto estava no ar desde o dia 8 de julho, dia em que o Senado votou e aprovou o mesmo. Porém, de acordo com o presidente, ele não iria apresentar um impacto orçamentário e financeiro.

PUBLICIDADE

Com isto em mente, para Bolsonaro é ‘inviável’ colocar em prática o projeto. A maior causa de acordo com o líder político é a falta de ferramentas de processamento de dados.

Vale ressaltar que desde o começo do auxílio emergencial, diversas pessoas conseguiram receber o valor de 600 reais sem se encaixar nos requisitos. Em outro caso explodiu na mídia a informação de que soldados do Exército brasileiro estavam sacando o dinheiro do auxílio.

PUBLICIDADE

O projeto aprovado pelo Senado colocava em lei a ordem para que mães que criam os seus filhos sozinhas recebessem 1200 reais. Este seria o dobro do valor original.

Porém, diversas fraudes e reclamações foram recebidas. Muitas mães alegaram que os CPFs de seus filhos estavam em uso por outra pessoa.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Redator News Hero

Sou especialista em notícias da TV, fofocas de famosos e acontecimentos em geral. Também escrevo sobre acontecimentos no meio político.