Caso Aline: evidências apontam para estupro e tentativa de defesa da vítima

A delegada responsável pelo caso revelou que o crime possui semelhanças com outro praticado pelo suspeito

PUBLICIDADE

Na última quarta-feira (2), as autoridades responsáveis pela investigação do assassinato da jovem Aline Silva Dantas, de 19 anos, forneceram mais detalhes a respeito do crime. De acordo com a polícia a jovem, que foi encontrada morta em um matagal, foi estuprada antes de ser morta e tentou se defender de seu algoz.

O crime em questão aconteceu na cidade de Alumínio, localizada no interior de São Paulo. Aline deixou a casa em que vivia para ir à farmácia comprar fraldas para a sua filha, uma bebê de apenas 1 ano e 9 meses, e não retornou, sendo encontrada somente três dias depois de ser dada como desaparecida.

Heronildo Martins de Vasconcelos, de 45 anos de idade, foi preso na cidade em que o crime aconteceu. Na ocasião da prisão, o suspeito estava em sua casa e foi levado pela equipe da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) da cidade de Sorocaba, que ficou responsável pela investigação.

Depois de ser preso, o suspeito negou ter qualquer envolvimento com o crime em questão. Entretanto, Heronildo possui passagem pela polícia por tentativa de estupro e é apontado pelos laudos como o autor do crime.

PUBLICIDADE

De acordo com informações fornecidas por Marcelo Carriel, o delegado seccional da cidade de Sorocaba, o responsável pelo assassinato da jovem não conhecia a família de Aline. Carriel ainda destacou que não existem evidências que apontem para um crime premeditado, de modo que o delegado acredita que Heronildo apenas viu a vítima e percebeu a oportunidade de cometer o delito. Posteriormente, ele retornou ao local para ocultar o cadáver de Aline.