Caso Henry: Perita relata que menino sofreu pelo menos duas horas antes de morrer

No último domingo, o Fantástico exibiu uma reportagem com detalhes do caso

PUBLICIDADE

No último domingo (11), o Fantástico exibiu uma reportagem a respeito do caso de Henry Borel, menino de 4 anos de idade assassinado no mês de março. Na ocasião citada, foram exibidos detalhes a respeito das investigações conduzidas pela 16ª Delegacia de Polícia da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

Ainda na semana passada, o vereador Dr. Jairinho e a mãe de Henry, Monique Medeiros, foram presos acusados de homicídio duplamente qualificado e também de tentar atrapalhar as investigações. O delegado Henrique Damasceno não tem dúvidas da culpa de Jairo e da omissão de Monique.

PUBLICIDADE

É possível afirmar que a reportagem do Fantástico teve acesso aos laudos e também à reprodução simulada feita no apartamento. Assim, a perita  Denise Gonçalves Rivera foi ouvida pelo programa jornalístico e revelou que as agressões sofridas por Henry não poderiam ter sido causadas por uma queda da cama, como foi informado quando o menino chegou ao hospital.

De acordo com a perita, Henry Borel pode ter começado a ser agredido por volta das 23h40 e a morte do menino, por sua vez, aconteceu entre 1h30 e 3h30 da manhã. Segundo o laudo do Instituto Médico Legal (IML), o garoto sofreu hemorragia interna, edemas pelo corpo e também uma série de lesões internas.

PUBLICIDADE

Conforme o relato da perita, Henry pode ter sido agredido por um período de duas a quatro horas antes da sua morte.

 

Via: istoe.com.br

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Escrito por Redator News Hero

Sou especialista em notícias da TV, fofocas de famosos e acontecimentos em geral. Também escrevo sobre acontecimentos no meio político.