CODIV-19: Nova promessa contra o coronavírus, mas o que sabemos sobre o Remdesivir

A medicação remdesivir conseguiu diminuir o tempo da internação por COVID-19, de acordo com os primeiros estudos. Em caráter emergencial, foi aprovado nos EUA.

PUBLICIDADE

A medicação remdesivir conseguiu diminuir o tempo da internação por COVID-19, de acordo com os primeiros estudos. Em caráter emergencial, foi aprovado nos EUA.

A agência reguladora de medicações (FDA) nos EUA, em caráter de emergência aprovou o uso do antiviral remdesivir para tratar casos graves de pacientes com COVID-19. A farmacêutica Gilead, cuja qual desenvolveu a medicação ao combater do ebola, mas para tal fim não houve sucesso.

A liberação em território americano ocorreu devido aos bons resultados preliminares. Até então, fica uma preocupação para com o remédio seja lançado cedo demais como a solução para eliminar a pandemia, até por que não se pode afirmar que ele cura os enfermos da COVID-19.

“Liberado por causa da extrema urgência, sem a prova de sua concreta eficácia”, disse Renato Grinbaum, consultor da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia).

PUBLICIDADE

Em uma pesquisa com 1063 indivíduos com casos graves de COVID-19, metade tomando a medicação e a outra metade apenas o placebo, onde o Remdesivir reduziu em 31% o tempo de internação. De 15 para 11 dias. Isso será de grande valia pra desafogar os sistemas de saúde.