Com caixões em falta, vítimas da covid-19 precisarão ser enterradas dentro de caixas de papelão no Equador

A pandemia do coronavírus está se espalhando rapidamente, e como o equador tem somando um número alto de mortes, os caixões tem ficado em falta para todos.

PUBLICIDADE

Diante da grande pandemia que país está passando, o equador tem registrado um grande número de pessoas mortas em decorrência do vírus.

Depois de serem exibidos videos ondem mostram muitos corpos pelas rua de Guayaquil, que fica no Equador, o que tem sustentado a triste situação da grande falta de caixões para enterrar todos.

PUBLICIDADE

As pessoas que morrerem em decorrência do coronavírus precisarão ser enterradas dentro de caixas de papelão, mesmo indo contra as normas sanitárias do governo.

Até o momento a cidade que mais tem sofrido com a doença é Guayaquil, o centro econômico do país, o local recebeu uma doação equivalente á 1000 caixões feitos de papelão.

PUBLICIDADE

Os caixões de papelão foram doados pela associação de papeleiros equatoriana, sendo entregues á dois cemitérios locais. segundo o porta voz do conselho seria para tentar cobrir a grande demanda de caixões, já que tem faltado, e quando não estão em falta possuem um preço absurdo de caro.

Segundo afirma um proprietário de uma funerária, Santiago Olivares, eles não estão dando conta da grande demanda em pedidos de caixões, ele afirma ter vendido pelo menos 50 caixões em poucos dias.

PUBLICIDADE

Mesmo o uso de caixões de papelão não ser o apropriado, é uma alternativa para proporcionar as vitimas do coronavírus um funeral digno em meio a toda essa situação.

E sem contar que nesse momento é a unica alternativa, para evitar que os corpos fiquem amontoados um em cima do outro sem ter para onde levarem.

Até o momento foram registrados 2.524 pessoas infectadas na cidade, além de 126 pessoas que morreram, esses números estão contabilizados e atualizados no momento.

A região está sob toque de recolher isso todos os dias de 15 horas. Já no equador, já foram registrados 3.646 casos e 180 mortos ao todo. A fim de tentar conter a situação, o governo encerrou as atividades em escolas, estabeleceu o home office, e reduziu o trafego de carros circulando, além de fechar as fronteiras e declarar estado de exceção.

 

 

 

 

 

PUBLICIDADE

Escrito por Margareth Santos

Gosto de dedicar uma parte do meu tempo levando noticias e informações através de matérias relacionadas a tudo, inclusive de saúde, culinária, famosos e do mundo da maternidade.