Criança que teve 40 larvas retiradas de sua cabeça finalmente recebe alta do hospital

A criança recebeu alta do hospital e passa bem.

PUBLICIDADE

A criança de sete anos que foi internada com lesões causadas por 40 larvas em sua cabeça recebeu alta do Hospital Irmã Dulce em Praia Grande no litoral de São Paulo. A criança recebeu alta nesta quarta-feira (16) de acordo com informações da mãe.

A menina teve 40 larvas retiradas de sua cabeça, os parasitas estavam comendo a cabeça da criança, mas depois do tratamento a menina passa bem e já se encontra em casa.

PUBLICIDADE

A mãe da criança informou ao G1 que as feridas onde estavam as larvas já cicatrizaram e a a filha não precisou passar por nenhum procedimento cirúrgico. A mãe contou que a criança foi atendida muito bem durante o processo de internação e que estava ansiosa para que a filha pudesse voltar para casa, disse a dona de casa que tem 41 anos.

O caso gerou revolta na internet tanto que a mãe da criança disse que chegou a sofrer ameaças e que estava com medo de ser linchada. A criança deu entrada no Pronto Atendimento de Samambaia no dia 3 de outubro, um veterinário conhecido como Fabiano Miranda de 39 anos foi chamado.

PUBLICIDADE

A criança estava com berne na cabeça, um verme muito comum em animais. O veterinário retirou da cabeça da criança de 7 anos 40 larvas e conseguiu que a menina fosse transferida para o hospital onde foi internada e recebeu o tratamento adequado.

PUBLICIDADE

O veterinário contou durante uma entrevista que o caso aconteceu por causa de negligência da mãe, mas provavelmente por uma ferida que surgiu depois que a criança bateu a cabeça enquanto estava brincando.

A mosca depositou seus ovos na ferida aberta e rapidamente se transformou em larvas isso pode acontecer com o ser humano e também com os animais, as larvas se alimentam dos tecidos musculares, penetra na pele causando as feridas.

O neurocirurgião João Luis Cabral informou que geralmente é um parasita que acontece no meio da população mais carente por causa da falta de saneamento básico e também porque a população carente não tem o mesmo acesso a assistência médica adequada.

Ele informou também que a larva dá no couro cabeludo, mas não entra no cérebro. No entanto é preciso ser feito uma limpeza e em alguns casos até mesmo uma cirurgia para retirada das Larvas. A criança foi tratada com antibióticoterapia para que a infecção não se alastrasse causando um mal pior.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Informe Cl

Colunista de notícias dedicada a escrever artigos de qualidade sobre saúde, TV, notícias de grande repercussão, notícias gospel e demais assuntos.