Enfermeira que perdeu o marido com coronavírus diz que não há dignidade nem para morrer: “Corpos são enrolados em dois sacos plásticos e sem roupas”

A enfermeira disse que os corpos das vítimas são enrolados em dois sacos plásticos sem roupa alguma.

PUBLICIDADE

A enfermeira Bruna Mercedes está em isolamento obrigatório em sua casa que fica em Ribeirão Preto em São Paulo depois que seu marido morreu com coronavirus.

O marido de Mercedes era farmacêutico, tinha 36 anos e se chamava Gustavo Mercedes, ele foi o primeiro paciente a morrer com coronavirus no interior da capital paulista.

O marido de Bruna estava lutando contra um mieloma múltiplo há dois anos, esse tipo de câncer atinge as células da medula óssea provocando insuficiência renal, ele estava internado e morreu na última quinta-feira (26).

A enfermeira Bruna não pôde velar o marido por causa das medidas de segurança para evitar que ela fosse infectada pela doença.

PUBLICIDADE

Em um triste desabafo, a esposa disse que eles nunca imaginaram isso e continuou dizendo que o coronavirus é uma doença que tira a dignidade da pessoa até mesmo para morrer, por que as vítimas são enterradas em um caixão lacrado e o corpo é enrolado em dois sacos plásticos, a pessoa não pode ter sequer uma roupa para ser enterrada.