“Era proibida de ser criança, vivia sob medo, nem brinquedo tinha”; Ninguém sabia que Ketelen existia, somente quando foi espancada até a morte

O imóvel nº 883 chama atenção de quem chega na Rua Onze, no bairro das Acácias, em Porto Real, no Sul Fluminense, por dois motivos: além de ser a única casa erguida naquela margem da via, é também o local onde a menina Ketelen Vitória Oliveira da Rocha, de 6 anos foi morta.

PUBLICIDADE

A casa número 883 na Rua 11 no bairro Acácias em Porto Real chama a atenção por ser uma casa isolada na margem da Rodovia, mas por ser principalmente o local onde a pequena Ketelen de 6 anos foi espancada até a morte pela mãe Gilmara Oliveira de 27 anos e pela madrasta Brena Luane de 25 anos.

PUBLICIDADE

A casa foi cenário de uma grande tortura e agressões contra a menina, as duas mulheres foram presas acusadas por homicídio triplamente qualificado e por tortura.

Os moradores da região e também de todo o Brasil estão chocados com as agressões causadas a menina.

PUBLICIDADE

A avó da menina Rosângela Nunes de 50 anos também foi presa por omissão ela sabia do que estava se passando no interior da casa mas ela não tomou nenhuma providência para proteger a menina.

A avó tentou se justificar por não ter denunciado as agressões contra criança alegando que se falasse também iria ser agredida e disse que se denunciasse a criança seria espancada muito mais.

PUBLICIDADE

Vizinhos que moram próximo à rua contam que nunca percebeu a presença da criança naquela residência, era sempre fechada e nunca a viram pelo lado de fora da casa.

Somente ficaram sabendo após a morte da criança, os vizinhos disseram que após tudo o que aconteceu entraram na casa e não viram a presença de brinquedos não havia nada que comprovasse a presença de uma criança.

Provavelmente Ketelen não podia sair de casa não podia brincar, ela não assistia TV não sabia dos desenhos infantis que passavam na televisão.

As sessões de espancamento deixaram marcas terríveis no corpo da criança, havia queimaduras de cigarro e vergões pelo corpo, a garota morreu seis dias após ser hospitalizada.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Informe Cl

Colunista de notícias dedicada a escrever artigos de qualidade sobre saúde, TV, notícias de grande repercussão, notícias gospel e demais assuntos.