Estação Espacial Internacional faz manobra de urgência

Entenda porque ISS faz manobra não planejada

PUBLICIDADE

A Agência Espacial Russa Roscosmos informou que o centro de controle de vôo realizou uma manobra não planejada na sexta-feira, corrigindo a órbita da Estação Espacial Internacional (ISS), evitando assim colisões com os efeitos de detritos espaciais.

A agência afirmou em comunicado: “Todas as operações são realizadas normalmente, de acordo com cálculos realizados por russos especialista”.

PUBLICIDADE

Para realizar tal manobra, os propulsores do cargueiro Progress MS-14 tiveram de ser ativados, que se localiza conectado ao módulo Zvezda da parte russa na ISS. Os propulsores funcionam por 100 segundos, fazendo com que a estação suba cerca de 300 metros de sua altitude atual.

A última vez que foi preciso mudar a órbita da Estação Espacial Internacional aconteceu em 29 de junho e sua altura aumentou 480 metros, a 418,5 Km da Terra.

PUBLICIDADE

Tal manobra se fez necessária em preparação para que pudesse ser recebido o cargueiro Progress MS-15 à estação espacial, que era então programado o seu lançament para 23 de julho.

O volume de lixo espacial em torno da órbita da Terra tornou-se o foco das agências espaciais pelo mundo. De acordo com estimativas de cientistas russos, esse número dobrará até 2030.

PUBLICIDADE

Recentemente, o Sistema de Controle Espacial classificou mais de 50 mil detritos espaciais circulando por diferentes órbitas. Profissionais do Instituto Estatal Técnico Bauman, na Rússia, prevém que há aproximadamente 7.200 toneladas de lixo espacial ao redor da Terra.

Esses resíduos podem causar graves danos as naves espaciais ativas, razão pela qual é necessário procurar resolver esse problema mundial tem se tornado a cada dia mais um motivo de preocupação.

Uma colisão com um objeto de 10 cm pode significar “destruíção catastrófica” do satélite. Por outro lado, apenas um objeto de um centímetro pode perfurar o escudo ISS, enquanto apenas um objeto de um milímetro pode prejudicar de pequenos à grandes subsistemas de satélites.

Pois é, o espaço é infinito, porém o lixo espacial não desaparece na imensidão do universo, mas sim fica girando em órbitas em torno da terra, podendo causa danos severos à satélites, ISS e naves espaciais. Assim como na terra, o lixo sempre é um grande problema, com aterros, descarte e afins. Mas, e agora no espaço? O que fazer?

Via: uol.com.br

PUBLICIDADE

Escrito por News Report

Colunista de notícias, visando levar a informação à leitores diversos, através da internet, mídias sociais, redator de plataforma em diversos assuntos.