Este distúrbio pode levar os pacientes a fazerem coisas absurdas durante o sono

PUBLICIDADE

Mãe de três filhos, Kelly Knipes vive no Reino Unido, e sofre de um distúrbio do sono que já a fez cometer atos absurdos e inconsequentes durante o sono. Ela já se queimou com um isqueiro que o seu marido usa para fumar, e nem ao menos percebeu o que havia feito consigo mesma. Além disso, ela também chegou a gastar cerca de US$4 mil em compras que ela realizou pela internet durante estes períodos. E também chegou até mesmo até um overdose de medicamentos que foram consumidos em quanto ela dormia e não tinha a menor ideia do que estava fazendo com ela mesma. Com estes comportamentos, ela chegou até mesmo a colocar tanto a sua vida quanto a de seu bebê que esperava há seis meses. Ela não tinha a menor consciência de que estes atos estavam sendo cometidos por ela.

Kelly sofre de um distúrbio do sono, que faz com que ela cometa estes atos da qual ela não faz a menor ideia quando os comete. Este distúrbio que ela possui, faz parte do grupo de parassonias, que são transtornos que são caracterizados por apresentar comportamentos durante o sono que não se espera que sejam apresentados por ninguém que não possua este tipo de doença.

PUBLICIDADE

A depender da fase do sono que o distúrbio se manifesta, ele pode fazer com que a pessoa tenha várias reações diferentes. Que podem ir de sonambulismo, pesadelos ou até mesmo acabar despertando se sentindo confuso com o que está acontecendo consigo ou ao seu redor. Pode apresentar de diversas formas, variando apenas de acordo com o grau do sono que a pessoa está tendo no momento em que ele começa a se manifestar.

No caso de Knipes, o que ocorria com ela muitas das vezes era o sonambulismo. Ela acordava no meio da noite e começava a realizar coisas que ela não deveria estar realizando caso dormisse de uma forma normal. Em algumas destas vezes ela realizava atividades diversas, e no dia seguinte após fazer tudo isso, ela não se lembrava de nada que tinha feito quando estava sob os efeitos do distúrbio.

PUBLICIDADE

Então os médicos começaram a examinar, e descobriram que isto ocorria pois ela parava de respirar durante a noite. E com isso o seu cérebro acabava despertando parcialmente. E a partir daí por isso era causado o sonambulismo que ela apresentava. Ela conto em entrevista que os médicos falaram que ela acordava justamente para que pudesse respirar, como um aviso de seu cérebro para que isso fosse feito. E neste período em que o cérebro dela tentava a acordar e ela ficava parcialmente acordada, era quando ela começava a realizar suas atividades de forma normal como se estivesse totalmente acordada e em atividade. Esta era a forma que seu compro encontrou de te falar que não estava bem.

A respeito das atividades, as compras que ela realizava durante estes períodos eram um tanto curiosas. Visto que em algumas vezes ela acabou gastando muitos dólares em doces e latas de tinta. Ela contou que as compras que era realizadas por ela eram completamente aleatórias e não faziam o menor sentido. Os estudos a respeito do sonambulismo revelam que as partes que controlam a visão, o movimento e a emoção parecem estar despertas. Mas as áreas que são responsáveis pela memória, por tomar decisões e pelo pensamento racional, não se encontram despertas nestes momentos. Nestes breves episódios por exemplo as pessoas podem fazer todos os tipos de atividade, e para elas ao acordar não terá registro algum de que tais atividades foram realizadas por ela durante o período em que ela estava parcialmente acordada.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Escrito por Pedro Henrique

Amo escrever sobre todo o tipo de assunto, notícias e atualidades são minha paixão. Contato: [email protected]