Por que os jovens estão praticando menos sexo seguro

PUBLICIDADE

Uma jovem acabou reencontrando com um velho amigo, logo após terminar um relacionamento, e isso acabou sendo uma grande distração para ela. A conversa entre os dois acabou virando um flerte, e por fim eles acabaram indo para casa juntos. A jovem de 24 anos reconheceu que acabou agindo de forma imatura a respeito disso, pois pensou que não haveria mal algum se ela não usasse camisinha. Porém, ela estava errada, e havia sim. Logo em seguida começaram a aparecer os primeiros sintomas de clamídia. Logo após isso a jovem ficou brava consigo mesma por não ter falado sobre sexo seguro com o seu parceiro.

Mas a jovem não está sozinha nesta situação. De acordo com uma pesquisa realizada pelo instituto YouGov e da Public Health England (PHE) que é a agência de saúde e serviço social do governo britânico, quase metade dos jovens entre 16 e 24 anos afirmam terem feito sexo com novos parceiros sem fazerem uso de preservativo. E um a cada dez jovens desta faixa etária afirma nunca ter usado proteção em sua relações.

PUBLICIDADE

Entre os anos de 2003 e 2013 o índice de homens entre 16 e 24 anos que disseram ter feito sexo com camisinha nas quatro semanas anteriores caiu de 43% para 36%. Já no Estados Unidos o numero de preservativos usados pelos adolescentes caiu de 62% para 54% entre 2007 e 2017. Já no Brasil, uma pesquisa realizada pelo IBGE aponta nesta mesma direção, onde 35,6% dos adolescentes entre 13 e 17 anos afirmaram não terem usado proteção em sua primeira relação.

O mesmo estudo apontou que quanto mais jovem for, menor será o uso dos preservativos. Enquanto o numero de jovens entre 16 e 17 anos é de 31,8% os de adolescente na faixa de 13 a 15 anos é de 40%. Enquanto isso, as taxas de algumas ISTS tem disparado cada vez mais. De acordo com o PHE um jovem é diagnosticado com IST a cada quatro minutos.

PUBLICIDADE

As pesquisas indicam também que aqueles entre 16 e 24 anos de idade correm mais riscos de contrair alguma IST. Mais da metade destes casos acabam contraindo gonorreia ou clamídia. Alguns casos de uma supergonorréia que se trata de uma sepa que é resistente a antibióticos foram registrados no Reino Unido. A sífilis também no momento tem se mostrado em ascensão visto que seu aumento foi de 20% no ano de 2017 em relação ao ano de2016.

Os casos de clamídia caíram em 2% mas os especialistas em saúde sexual afirmam que os cortes na saúde podem estar atrapalhando que os britânicos tenham acesso aos serviços que podem realizar este tipo de diagnóstico. Embora o governo tenha afirmado que mais testes domiciliares tem sido ofertados.

PUBLICIDADE

No Brasil este hábito de não usar camisinha entre os jovens acabou aumentando o numero de casos de HIV. Apesar disso o governo tem um programa que oferece camisinhas masculina e feminina, lubrificantes e também informações e aconselhamento para os jovens que estão em atividade sexual, e isso tudo funciona de forma gratuita para a população.

Um dos grandes motivos para esta diminuição do uso de preservativos pelos jovens foi o fato de que novos meios contraceptivos surgiram e se tornaram cada vez mais populares. E isso acabou fazendo com que a popularidade dos preservativos caísse cada vez mais, mesmo com a grande variedade disponível de cores e sabores.

A educação sexual deveria ser um meio de ajudar a comunicação com os jovens a respeito do sexo seguro. E que com isso eles estarão cuidando a respeito de sua saúde. Com educação o jovem irá aprender da necessidade do uso de preservativo, e até mesmo como que ele é deve ser utilizado, sua forma correta.

PUBLICIDADE

Escrito por Pedro Henrique

Amo escrever sobre todo o tipo de assunto, notícias e atualidades são minha paixão. Contato: [email protected]