Falso médico é preso após atender as vítimas com covid-19 no hospital de SP

O acusado prestava serviços à rede hospitalar há cerca de um ano.

PUBLICIDADE

A Polícia Federal prendeu um homem que estava se passando por medico e prestando atendimento as pessoas que estavam sendo diagnosticadas com o novo covid-19, no hospital Irmã Dulce, localizado em Praia Grande que fica no litoral de São Paulo.

O acusado estava utilizando os documentos de um médico que é oftalmologista e que reside na Colômbia para poder atuar nesta região do país. Essas informações acabaram sendo divulgadas pela polícia na manhã desta segunda-feira, 1 de junho.

PUBLICIDADE

De acordo com as informações, a Polícia Federal não revelou o nome verdadeiro do acusado, que acabou sendo preso na noite deste ultimo domingo, 31 de maio, durante o turno que estava realizando no hospital.

O homem estava trabalhando na unidade hospitalar há pelo menos um ano, e ultimamente, ele estava na linha de frente, prestando atendimento as pessoas que estavam internadas na unidade com o novo coronavírus.

PUBLICIDADE

As informações da polícia civil, indicam que as investigações que foram realizadas pela polícia federal estavam apontando para uma pessoas que estava trabalhando nesta unidade hospitalar e cujo a identificação era utilizada como Henry Cantor Bernal.

O acusado que estava trabalhando no hospital em Praia Grande é negro, e o médico cujo os documentos estavam sendo utilizados pelo autor do crime, seria branco.

PUBLICIDADE

O suspeito acabou sendo preso em flagrante e foi encaminhado para a Delegacia Sede de Praia Grande, onde precisou ser interrogado pela polícia civil.

Durante a sua interrogação, ele não quis revelar o seu verdadeiro nome, e junto à ele, foram encontrados diversos documentos com o nome do médico verdadeiro, onde o acusado alegava também ter cursado a faculdade de medicina. Havia também uma carteira de motorista do Paraguai.

Durante uma pesquisa, a polícia acabou constatando que o médico verdadeiro acabou prestando um boletim de ocorrência com a notificação de que os seus documentos haviam desaparecido. O suspeito e acusado irá responder pelos crimes de exercício ilegal da função de medicina e falsidade ideológica.

 

PUBLICIDADE

Escrito por V Guimarães

Colunista de todos os assuntos, como tv, famosos, culinaria, medicina, filmes, series, saude, bem-estar, lazer. Gosto de todos os assuntos