Famílias abrem caixões lacrados à beira das covas coletivas para ter certeza de que estão enterrando seus parentes em Manaus

Fake News causa pânico em familiares que perderam seus parentes para o Covid19

PUBLICIDADE

O mundo vem enfrentando uma luta contra o novo Corona vírus, alguns países já conseguiram desacelerar o crescimento dessa pandemia, mas o Brasil apesar de ter saído na frente, em relação ao isolamento social, vem aumentando dia a dia o números de infectados e também de mortos. Os números de mortos tem dobrado a cada 3 dias, deixando as autoridades cada vez mais preocupadas, pois o país tende a entrar em número recorde de mortos.

Mas ainda assim, algumas pessoas não dão adevida importância em relação ao isolamento social, sem falar ainda nas notícias fake que circulam o mundo todo, prejudicando ainda mais nesse combate.

PUBLICIDADE

 

Depois de algumas notícias fake terem sido compartilhadas em redes sociais, dizendo que caixões vazios estavam sendo enterrados, para que assim os números de mortos pelo covid19 fossem bem maior, parentes dos mortos que chegavam até o aterro onde estão sendo enterrado centenas de mortos por dia, decidiram abrir os caixões minutos antes de enterrar, para se certificarem de que havia ali dentro o corpo do seu ente.

Um dos funcionários do cemitério conta ao repórter que o mal cheiro de corpos já em decomposição estava bem forte ali, devido aos 7 caixões que estavam ali na tenda que foi montada para abrigar e proteger familiares do sol, no pouco tempo de despedida permitido. Ele conta ainda que familiares abriam os caixões para ter certeza de que estava enterrando seu familiar, dia que isso não é o correto, porém autorizaram para que não houvesse mais problemas depois de enterrados.

PUBLICIDADE

“Depois do que aconteceu o pessoal quer ter certeza de que está enterrando a pessoa certa”, diz o funcionário.

Devido aos procedimentos que os corpos de quem morre pelo covid19 tem que passar, sendo embalados por sacos pretos e enterrados com todos os forros de cama e roupas que estão usando no hospital, os corpos não conseguem se manter na temperatura ideal para não entrarem em decomposição, e sendo assim, se decompõe com mais rapidez, sendo possível ser identificado por papéis colados nos sacos pretos ou até mesmo nos próprios caixões.

PUBLICIDADE

O sistema funeral de Manaus está prestes a entrar em colapso, devido ao umento de mais de 300% nos números de mortos nas últimas semanas, são sepultados cerca de 150 corpos por dia.

PUBLICIDADE

Escrito por Fabiana Cristina Vieira

Redatora de plataformas de notícias ligadas à famosos, saúde, culinária, informações do mundo.