Futura mamãe achava que essas marcas em sua barriga eram apenas estrias, mas era muito mais assustador

Os médicos confirmaram o diagnóstico, mas disseram que havia pouco que pudessem fazer.

PUBLICIDADE

Summer Bostock ia ter seu primeiro bebê e estava muito feliz, jamais imaginava que iria viver um tremendo pesadelo.

Quando ela chegou as 30 semanas de gravidez levantou de manhã e notou que estava com a barriga toda cheia de marcas muito parecidas com as estrias  e elas aumentavam a cada dia e acabou cobrindo quase todo seu corpo: costas, pernas, um tormento.

PUBLICIDADE

Desesperada ela procurou seu médico que disse que ela estava com alergia de seu bebê, fato que ela nunca havia ouvido falar antes.

PUBLICIDADE

Summer sentia uma coceira pelo corpo insuportável e quase não conseguia mais tomar banho, pois o contado da água com sua pele a fazia sofrer de dor e de coceira.

Com 37 semanas de gravidez, a dor foi tão intensa que ela precisou ser internada, os médicos ainda não tinham visto um caso como o dela, ela foi internada e eles passaram a cuidar com empenho de Summer até que o bebê nascesse.

PUBLICIDADE

Assim que o menino nasceu, a erupção começou a desaparecer. Acredita-se que Summer teve um caso extremo da condição pré-natal, a erupção polimórfica da gravidez (PEP) que, embora inofensiva para a mãe e para o bebê, causou a dor agonizante da mãe. Os médicos induziram o parto e nasceu Izaiah, agora com cinco anos, por cesariana, aliviando o sofrimento da mãe.

PUBLICIDADE

Escrito por Informe Cl

Colunista de notícias dedicada a escrever artigos de qualidade sobre saúde, TV, notícias de grande repercussão, notícias gospel e demais assuntos.