“Jovens, fiquem em casa”, alerta mãe de rapaz de 26 anos que morreu com suspeita de estar contaminado com o novo coronavírus no Rio

A mulher relata que até tentou comprar o teste para o filho, indo até em laboratórios particulares, e afirma: "Nem pude ver meu filho e me despedir".

PUBLICIDADE

Enquanto falava, sua voz se modificava por causa do choro e da revolta pelo que ocorreu com o filho, dona Maria Aparecida Martinez de 54 anos de idade perdeu o filho Gabriel Martinez, de 26 anos de idade.

Ao que tudo indica o rapaz morreu com suspeita de estar infectado pelo coronavírus, isso ocorreu no último sábado, dia 21 de março, na Tijuca, zona norte do Rio de Janeiro.

PUBLICIDADE

Dona Maria Aparecida lamenta o fato do filho ter morrido antes mesmo de poder ter realizado o teste e ter recebido o atendimento necessário para o seu caso.

O rapaz era músico e publicitário, além disso era uma pessoa muito saudável, sua mãe relata sentir muita dor ao não poder mais ouvir o barulho da chave abrindo e olhar e ver que era o filho chegando do trabalho.

PUBLICIDADE

E lamenta muito de não poder nem ter visto o filho direito,só pode olhar ele durante 2 minutos, mas sem poder tocá-lo, infelizmente nem teve a chance de despedir do seu próprio filho.

Ela afirma que ainda possui forças para conversar com a imprensa, apenas para tentar alertar as pessoas de que o coronavírus pode matar qualquer pessoa não só idosos como muitos pensam.

PUBLICIDADE

Segundo a mãe de Gabriel, ele era um rapaz muito saudável, e a pouco tempo havia feito uma serie de exames e não tinha dado nada, nem em centro cirúrgico ele nunca entrou.

Ela relatou como aconteceu a evolução do diagnóstico do filho, começando por sábado, dia 14 de março, nesse dia ele não apresentava nenhum sintoma, ele estava normal e bem.

Já no domingo, dia 15, o rapaz começou a se queixar de febre e dores no corpo, dai eles ficaram de olho para monitorar o que aconteceria.

Quando foi na segunda feira, dia 16, a mulher começou a ir atrás do teste para o filho realizar, procurando em laboratórios particulares, mas não obteve nenhum sucesso.

Conforme os dias foram seguindo, o rapaz obteve uma grande agravação e começou ater sintomas como congestão nasal, febre e cansaço físico, e assim começou a fazer o uso de medicamentos antigripais.

Mas até então Gabriel não sentia falta de ar, quando foi na segunda feira, dia 18, ele foi procurar atendimento no hospital Badim que fica situado na Tijuca.

Ao ser atendido, o rapaz fez uma série de exames, além do de sangue também fez um eletro, onde foi constatado uma mancha no pulmão, mas não foi dada muita importância.

Após isso, o rapaz deixou o hospital, com uma receita prescrita de antibiótico, após ter tomado 3 bolsas de soro, além disso ele saiu com um pedido de exame para o coronavírus, mas não conseguiu realizá-lo a tempo.

Conforme os dias iam passando, a febre de Gabriel não abaixava, e no sábado dia 21, ele retornou ao hospital e fez um novo exame, onde constatou que pelo menos a metade de seu pulmão já estava todo manchado.

Nesse mesmo dia, infelizmente o rapaz faleceu, dona Maria conta que ouviu o médico declarar que não havia teste pata todos os pacientes, e isso era determinação do ministério da saúde.

Após o falecimento do filho, a mãe decidiu fazer com que os jovens tenham consciência e permaneçam isolados em casa, para que não corram o risco de perderem a vida.

Veja abaixo o alerta que dona Maria Aparecida aconselhou aos jovens:

.

PUBLICIDADE

Escrito por Margareth Santos

Gosto de dedicar uma parte do meu tempo levando noticias e informações através de matérias relacionadas a tudo, inclusive de saúde, culinária, famosos e do mundo da maternidade.