Luto e drama: Idosa vítima de Covid-19, teve o corpo trocado em Piraí”A gente ia sepultar uma pessoa que não era nossa mãe”

Já não basta a dor do luto da perda do familiar, família ainda passa pelo desgosto de ter o corpo trocado em Volta Redonda.

PUBLICIDADE

Nesta quinta-feira(14), uma idosa faleceu vítima do novo coronavírus.

Além da dor dos seus familiares, eles tiveram que passar pelo pesadelo, de ter o corpo trocado. Segundo os parentes, a idosa Maria da Glória foi trasportada com os sinais da doença, no dia 26 de abril para o hospital da área de residência, em Piraí.

PUBLICIDADE

A idosa, tinha falta de apetite, e além disso muita febre. Os familiares, contam que o médico que atendeu a idosa, apenas receitou um xarope mandou para casa, com o diagnóstico se tratar apenas de um resfriado.

Mas infelizmente, a idosa piorou, e os sintomas continuar a persistir, perante tal situação, a família levou novamente a dona Maria ao hospital, já no dia 2 de maio, acabando por ficar internada.

PUBLICIDADE

Entretanto após o internamento, realizaram o teste do novo coronavírus, e enviaram a amostra para um laboratório no RJ. Diante tal situação, uma vez que a idosa, já tinha ido anteriormente ao hospital, e foi liberada apenas com um xarope, a família questionou aquela unidade, sobre o médico que a tinha atendido no dia 26.

E para surpresa deles, foram informados, que esse mesmo médico foi afastado por suspeita de coronavírus. Segundo Sônia Pimenta, uma das filhas, conta que o médico não usava máscara quando atendeu a mãe.

PUBLICIDADE

Uma neta, da idosa que está grávida, e uma outra filha de 46 anos, também se dirigiram ao hospital para fazer de imediato o teste, para saber se ambas também estaria infectadas, uma vez que estiveram em contacto com a idosa, na última terça-feira (12).

Apenas a filha, testou positivo, mas está bem, sem quaisquer problemas mais graves, e ficou apenas em isolamento em casa. Se passaram dois dias, depois de ser internada a 4 de maio, a idosa acabou por ser levada para outro hospital com suspeita do vírus.

Mas infelizmente a dona Maria, acabou por não resistir e veio a óbito nesta madrugada de quinta-feira e a família foi chamada ao hospital. A filha e a neta, foram então até ao hospital para fazer o reconhecimento do corpo.

A funcionária, perguntou para a filha, se aquele corpo era o da mãe, e ela disse que não. Depois a mesma funcionária perguntou, se ela ainda estava com alguma dúvida, no qual respondeu sim.

Entretanto a filha da idosa, chamou a sobrinha. Que quando ela se aproximou, disse que aquele corpo não era da sua avó. A neta conta que apenas viu o rosto, mas de imediato reconheceu não se tratar da sua avó.

O corpo que estava ali, não era da dona Maria, porque esse corpo tinha cabelo branco, e a idosa tinha cabelo preto, e uma cicatriz no nariz”, relatou a filha. A funcionária continuou afirmando que aquele era o corpo da idosa, que se transformou devido à medicação, mas a neta Renata, continuou afirmando até ao último momento que não se tratava da sua familiar.

Enrolado dentro de um saco, e caixão fechado, o corpo daquela idosa, foi levado até ao cemitério da cidade. Quando chegaram com o corpo, a Sônia, filha da idosa, contou para a família, que não chegou a identificar o corpo da mãe, e pedir para que o caixão fosse aberto.

“Quando chegamos, contei para o meu irmão, que aquela não era a nossa mãe. Foi então que o meu irmão, pediu que abrissem o caixão e todo mundo que estava presente, viu que aquela não era a nossa mãe. Quando o caixão foi aberto, estava lá escrito “Maria das Dores” e não “Maria da Glória”, disse a filha indignada perante tal situação.

 

“Infelizmente, todas as pessoas que morrem com suspeita ou diagnosticadas com a doenca, tem o caixao lacrado, mas os funcionários do cemitério abriram, para que a gente podesse identificar, usando toda a protecao e cuidado”, conta.

 

Após o ocorrido, a família retornou ao hospital e informou a unidade do ocorrido. De imediato os funcionários foram resgatar o corpo. “Eles procuraram, e continuaram a procurar, e só passado algum tempo, conseguiram encontrar o corpo da minha mae”, conta a filha.

 

Finalmente a idosa teve um enterro digno, com o corpo certo. A família ficou indignada, e disse que isso jamais deveria acontecer, além da dor di luto, e um enorme choque para toodos, enterrar uma pessoa errada no lugar da família.

PUBLICIDADE

Escrito por Carla Sofia

Sou especialista em Receitas, dicas e saúde! Gosto sempre de estar atualizada de novas receitas e formas medicinais!