Mãe desabafa ao perder o único filho para a covid-19: “Não pude dar um abraço, nem me despedir tive direito”

Não pude dar um abraço. Nem de me despedir tive direito”. Quem conta é Maria de Jesus, que perdeu o único filho, de 22 anos, para a Covid-19.

PUBLICIDADE

Maria de Jesus conta que perdeu o único filho de 22 anos para a covid-19, não pode dar um abraço e nem se despedir direito dele.

Renan Ribeiro Cardoso era dono de uma pizzaria na zona leste de São Paulo, era uma pessoa muito querida na região, ele foi a primeira pessoa a morrer à espera de um leito de UTI em São Paulo.

PUBLICIDADE

A procura por atendimento começou quando vários jovens estavam sendo contaminados, em um momento tão delicado surgiram muitos casos entre jovens e idosos, com poucos leitos a uma situação ficou extremamente difícil, pois os jovens serão os últimos a serem vacinados.

Renan testou positivo para covid-19 ele procurou um hospital estava sentindo vários sintomas da doença, mas como os leitos de UTI estavam superlotados ele ficou na fila para aguardar, infelizmente desenvolveu a forma agressiva da doença e na fila de espera não resistiu e faleceu.

PUBLICIDADE

A mãe desabafou que não pode dar um abraço no filho nem se despedir direito dele, pois como ele estava na fila de espera não era permitido que parentes entrasse no hospital, era uma sala isolada.

Ana Freitas Ribeiro coordenadora de serviços epidemiológicos Instituto de infectologia do Hospital Emílio Ribas, disse que os casos mais graves predominam nas pessoas acima dos 60 anos de idade.

PUBLICIDADE

Mas os volumes de jovens contaminados tem aumentado drasticamente e há uma explicação para isso, os jovens estão circulando mais e a variante também, o momento é muito delicado.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Informe Cl

Colunista de notícias dedicada a escrever artigos de qualidade sobre saúde, TV, notícias de grande repercussão, notícias gospel e demais assuntos.