Medica dos Estados Unidos, não suportou ver tantas pessoas morrer do Covid-19, e acabou tirando sua própria vida.

"Ela estava realmente nas trincheiras da linha de frente da Covid-19, acrescentou. Ela é uma vítima tanto quanto qualquer outra pessoa que morreu."diz seu Pai.

PUBLICIDADE

 

A Dra. Lorna Breen, 49 anos, confessou à sua família que não suportava ver tantas pessoas morrerem. “Ele é uma vítima tanto quanto qualquer outra pessoa que morreu”, diz seu pai.

PUBLICIDADE

 

 

A chefe do departamento de emergência de um hospital de Nova York cometeu suicídio no domingo passado, depois de passar muitos dias na vanguarda da batalha contra o coronavírus em uma das cidades mais atingidas pela pandemia e depois de confessar a seus parentes que ela não suportava ver tantas pessoas morrem.

 

Esta é a Dra. Lorna Breen e ela foi diretora médica de emergência do NewYork-Presbyterian Allen Hospital em Manhattan.

PUBLICIDADE

“Ela tentou fazer seu trabalho e a matou”, disse Philip Breen ao The New York Times sobre sua filha, que seguiu seus passos na medicina.

 

O pai disse que sua filha, 49 anos, que morreu no domingo, não tinha histórico de doença mental. Mas ela disse que a última vez que eles falaram, disse a ele como era doloroso ver os pacientes infectados por coronavírus morrerem, alguns antes mesmo de tirá-los da ambulância.

PUBLICIDADE

“Ela estava realmente nas trincheiras da linha de frente”, disse Philip Breen ao Times. “Verifique se ela é elogiada como heroína”, acrescentou. “Ela é uma vítima tanto quanto qualquer outra pessoa que morreu.”

 

Lorna Breen morreu em Charlottesville, Virgínia, onde ficou com a família por alguns dias, disse o pai, que lembrou que sua filha havia adoecido com o vírus enquanto estava no trabalho, mas voltou ao trabalho profissional depois aproximadamente uma semana e meia de recuperação. Ainda assim, o hospital a mandou para casa novamente e sua família a levou para a Virgínia.

 

Dois dias antes do suicídio desse médico, um paramédico de emergência na cidade, que também havia trabalhado na frente de batalha contra o vírus, também se matou.

 

Foi o jovem John Mondello, 23, que na sexta-feira passada usou uma arma registrada por seu pai, um policial aposentado de Nova York, para cometer suicídio em Astoria, Queens, segundo fontes policiais do New York Post.

Ele se formou na Academia de Serviços Médicos de Emergência (EMS) do Corpo de Bombeiros no início de fevereiro e depois foi diretamente para a Estação 18 em Claremont, no Bronx, que lida com um dos maiores volumes de 911 ligações em a cidade.

 

Via: elmundo.es

PUBLICIDADE

Escrito por Redatora S Silva

Sou colunista de noticias, de famosos, tv, receitas, politicas e testemunhos e mensagens, reflexoes. Buscamos sempre o melhor, para que as notcias chega a tempo para todos.