MP acusa Padre Robson e Afipe de usarem laranjas e empresas faltas para lavagem de dinheiro e desvio de verba

O padre se defendeu nas redes sociais afirmando que suas atividades são honestas, confira

PUBLICIDADE

Recentemente o nome do famoso padre Robson de Oliveira, foi parar no centro de uma investigação do Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO). As suspeitas são de que ele estaria liderando uma associação que faz uso de laranjas e empresas de fachadas.

A Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), fundada no ano de 2004 e liderada pelo religioso, seria o centro do desvio e lavagem de dinheiro. O ‘Fantástico’ da Rede Globo, transmitiu no último domingo, dia 23, uma reportagem sobre o caso.

PUBLICIDADE

Foi mostrado que a investigação aponta Robson como o criador de diversas empresas com o nome de fantasia. Todas com detalhes em comum, o nome Afipe ou parecido e endereços iguais.

A intenção do padre era ter o controle do patrimônio das Afipes com o passar do tempo. Quem autorizou toda a investigação foi a juíza Placidina Pires.

PUBLICIDADE

Após sua autorização, novas descobertas foram feitas. O nome de Gleysson Cabriny de Almeida (PSDB), vice-prefeito de Trindade, se mostrou ligado com os pagamentos das empresas de Robson.

Durante a reportagem foi mostrado que a irmã do padre, Adriane, está diretamente envolvida no esquema de lavagem de dinheiro. Ela teria recebido o valor de 400 mil reais de um dos diretores da Afipe.

PUBLICIDADE

No momento mais de 100 empresas ou pessoas estão sendo rastreadas pela investigação. Todas com alta suspeitas de estarem envolvidas no esquema criminoso. O padre se defendeu nas redes sociais afirmando que seus negócios são legítimos e iria se afastar de suas atividades para ajudar nas investigações.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Redator News Hero

Sou especialista em notícias da TV, fofocas de famosos e acontecimentos em geral. Também escrevo sobre acontecimentos no meio político.