Na crise da pandemia, mãe chora ao ver o filho pedir as coisas e ela não poder fazer nada por ele

"Eu já chorei demais com essa situação. Meu filho pede as coisas e eu não sei o que dizer.

PUBLICIDADE

O Governo federal divulgou o pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial, no entanto muitas pessoas ainda não receberam a primeira parcela do auxílio, muitas são as famílias que estão passando necessidades, contas estão atrasadas e tem faltado o alimento dentro de casa.

Muitos chefes de famílias estão desesperados e não sabem o que fazer, o auxílio emergencial que está sendo liberado pelo Governo Federal nesse tempo de pandemia de coronavírus, é que pode tirar do sufoco, algumas pessoas perderam o emprego, a renda e não podem sair de casa para trabalhar.

PUBLICIDADE

Esse é o caso de Rosana Melo de Lima de 37 anos, ela é vendedora de bolos e a dois meses quando iniciou a quarentena por causa do COVID-19, ela precisou interromper a produção e a venda dos bolos.

Rosana está em casa parada e sem poder vender fica sem recurso, sem dinheiro, as contas chegam, o alimento acaba e a situação fica desesperadora. Rosana contou com lágrimas nos olhos, que o filho 4 anos Davi, pede alguma coisas e ela não tem, ela não sabe o que fazer.

PUBLICIDADE

Rosana mora com o filho em uma casa alugada, no bairro Nossa Senhora da Apresentação, na zona norte de Natal, não podendo vender os bolos a única renda que ela tem vem do programa Bolsa Família, que são 180 reais por mês, a ajuda emergencial seria o que poderia socorrer a família.

A boleira tem despesa mensal de cerca de 500 reais, com água e energia e aluguel, Rosana disse que no mês passado algumas pessoas da família a ajudaram financeiramente, ela não pode se aventurar pois faz parte do grupo de risco, ela tem bronquite, artrite e asma.

PUBLICIDADE

Ela falou para reportagem que já chorou muito por causa dessa da situação, ver o filho pedindo algo e ela não tendo condições nenhuma de atender a criança, Rosana receberia o auxílio emergencial no valor de 1200 mas o mês passado só retirou o valor do Bolsa Família, 180 reais.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Marcos Antonio Martins

Marcos Martins, é mineiro da gema, nasceu no dia 30 de abril 1975, tem dois filhos lindos que não sabe se parece com ele ou com sua esposa, é cheio de defeitos, mas as qualidades são perceptíveis.