“Perdi quatro pessoas que eu mais amava para a Covid-19”, lamenta empresária cearense depois da morte da mãe, pai, irmão e marido vítimas da doença

Em apenas vinte dias, a assistente social e empresária Vivian de Oliveira perdeu quatro integrantes da família para o novo coronavírus.

PUBLICIDADE

Vivian de Oliveira, está hospitalizada diagnosticada com o novo coronavírus numa unidade de saúde de Fortaleza, com um quadro de saúde estável, mas a empresária perdeu a mãe, o pai, marido e irmão para a doença.

Ela deixa um apelo para toda a população, para que sigam as medidas todas de segurança, para que o contágio seja evitado. “Quem ama cuida”, inicia ela no apelo, onde disse que todos respeitem as normas sanitárias e que se mantenham em casa. No qual ela perdeu, quatro pessoas que mais amava para a doença. “A dor é inesquecível”.

PUBLICIDADE

Segundo ela, a primeira pessoa da família a contrair a doença, nos meados de fevereiro foi a cunhada. Em sequência foi o irmão, a mãe e o pai, que também contraíram a doença. A cunhada da empresária, ficou internada, mas acabou por ter alta e continua a recuperação em casa.

Além dos adultos, a sobrinha de um ano e sete meses, e a filha de um ano e cinco meses, também testaram positivo para a doença, mas não foram internadas. Os óbitos decorreram com curto tempo.

PUBLICIDADE

O pai foi o primeiro a falecer a vinte de fevereiro, logo no dia seguinte, o irmão, seis dias depois a mãe, e no último dia dez desse mês o marido de Vivian também não resistiu.

Ela conta ainda, que ainda não processou todo o sofrimento que tem vindo a passar nos últimos dias, no qual agora apenas pensa cuidar das crianças. Ela diz que hoje se sente triste e desacreditada e abalada. No qual tem horas que parece que está vivendo um pesadelo. Ela disse ainda que não teve tempo de lutar por eles, mas que eles agora precisam dela, e de toda a sua garra e coragem, agora ela precisa de cuidar da filha.

PUBLICIDADE

“Só sente essa dor quem passa”, desabafa.

Além de permanecer internada, o seu estado de saúde é estável, não necessitou ser entubada nem receber oxigênio. No qual ela falou que ainda busca fé e força para conseguir superar todas estas perdas. Ela fala ainda, que a doença é muito traiçoeira.

No qual está procurando ajuda psicológica, na família e principalmente em Deus, no qual tem sido o seu maior refúgio nesse momento de dor, conclui.

PUBLICIDADE

Escrito por Carla Sofia

Sou especialista em Receitas, dicas e saúde! Gosto sempre de estar atualizada de novas receitas e formas medicinais!