Por R$ 1 mil reais adolescente de 15 anos ajuda a matar e ocultar o corpo de um homem que trocava mensagens amorosas com a mulher do mandante do crime

Um jovem de 25 anos, morador da cidade de Bonfinópolis na região metropolitana de Goiânia, é suspeito de matar o vizinho por ciúmes da esposa. Ele usou o celular da mulher simulando um encontro íntimo com a vítima, e ainda contratou um menor de 17 anos para ajuda-lo a cometer o crime.

PUBLICIDADE

Segundo as investigações, a principal motivação para o crime teria sido o fato de Ademostero Batista, 48 anos, ter trocado mensagens amorosas e de cunho sexual com a mulher do suspeito, nas mensagens a vítima oferecia dinheiro para fazer sexo com ela.

O suspeito está preso desde quinta-feira (19) e o adolescente, coautor do crime, se encontra em liberdade, pois não houve ocorrência de flagrante, porém já existe um pedido de internação do menor. Segundo informações do G1, os nomes dos suspeitos não foram divulgados e suas defesas não foram localizadas.

PUBLICIDADE

As investigações sobre o caso explicam que o suspeito começou arquitetar a execução de Ademostero Batista desde que descobrira as mensagens que ele enviava para a sua esposa. O delegado Carlos Levergger diz que após prenderem o principal executor do crime, não demorou muito a chegarem no coautor confesso, que se trata de um menor de 17 anos, que recebeu do suspeito o valor de 1 mil reais para ajudá-lo na realização do serviço de execução e ocultação do corpo da vítima.

Existem provas confessas que apontam que o principal autor do crime teria pego o aparelho de celular da esposa mandando mensagens para a vítima, e fingindo ser a mulher marcou um encontro amoroso. A vítima, ao se aproximar do local marcado para o encontro, acabou sendo surpreendida pelos criminosos com vários golpes de faca e pauladas.  Quando terminaram a execução eles ocultaram o cadáver.

PUBLICIDADE

Os laudos investigativos apontam que após o bárbaro assassinato, os criminosos colocaram o corpo da vítima no porta-malas de um carro e o levaram até a ponte do Rio das Caldas, no munícipio de Leopoldo de Bulhões, onde abandonaram o cadáver. No interrogatório, o adolescente confessou sobre as armas usadas no crime e o local onde o corpo de Ademostero Batista foi abandonado.

O jovem responderá pelos crimes de homicídio qualificado em circunstâncias que impossibilitaram a defesa da vítima, e também por de ocultação de cadáver. O menor também responderá pelos mesmos crimes.

PUBLICIDADE

 

 

 

PUBLICIDADE

Escrito por Jeffersoin Julio De Souza

Colunista dedicado a notícias do mundo dos famosos e dos principais acontecimentos veiculados pelas mídias nacionais e internacionais.