Sérgio Moro: Manifestantes lotaram a frente da PF, esperando o ex-ministro chegar em Curitiba

Moro deve testemunhar aos delegados neste sábado (2), acusando o presidente Bolsonaro de tentar interferir no trabalho da PF e questionar os familiares.

PUBLICIDADE

Sérgio Moro: Manifestantes lotaram a frente da PF, esperando o ex-ministro chegar em Curitiba

Moro deve testemunhar aos delegados neste sábado (2), acusando o presidente Bolsonaro de tentar interferir no trabalho da PF e questionar os familiares.

PUBLICIDADE

 

Desde o início desta manhã de sábado (2), manifestantes que apóiam o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro e o presidente Jair Bolsonaro se concentra em frente à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

Gritos e confusões entre os dois grupos, mas a polícia militar impediu a situação. Eles têm bandeiras, carros e palavras de ordem.

PUBLICIDADE

Moro deve testemunhar aos delegados neste sábado (2), acusando o presidente Bolsonaro de tentar interferir no trabalho da PF e questionar os familiares. As alegações foram feitas quando ele anunciou sua saída do governo há uma semana.

A investigação foi autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e investigará se as alegações de Moro são verdadeiras. Caso contrário, o ex-ministro poderá responder em tribunal por difamação e crimes contra a reputação.

PUBLICIDADE

O testemunho foi decidido pelo relator do caso, ministro Celso de Mello, e será colhido pessoalmente pelo representante da PF e acompanhado pelos procuradores autorizados pelo ministro Mello. São eles: João Paulo Lordelo Guimarães Tavares, Herbert Reis Mesquita e Antonio Morimoto.

De acordo com as informações da RPC, devido ao coronavírus e equipamento de proteção individual (EPI), o Moro será ouvido em uma sala grande à distância recomendada.

Acusações do ex-ministro

As notícias trocadas pelo ex-ministro, bem como as informações divulgadas pelo Jornal Nacional, mostraram que a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) tentou convencer Sérgio Moro a continuar no cargo, em meio aos caos na troca de comando da PF.

O legislador propôs convencer o Presidente da República a indicá-lo como ministro do STF. Depois que Bolsonaro dissolveu o representante da sede da PF, Maurício Valeixo, Moro deixou o governo.

Três membros do Parlamento enviaram um pedido ao Supremo Tribunal Federal na tarde de quinta-feira (30) para reduzir o período de julgamento Moro: o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Tabata Amaral (PDT-SP) e Felipe Rigoni (PSB-ES).

“De acordo com nosso entendimento, a gravidade das acusações contra o Presidente da República agravou a grave crise política pela qual o país está passando, levando-nos a acreditar que realizar 60 dias (sessenta dias) de devida diligência na tela pode ser excessivo, Especialmente porque a duração da crise política leva à resistência à subseqüente perda de saúde e à crise econômica. Neste sentido, a elasticidade de tempo permitida pode levar a um risco iminente de perda de evidências”, assim argumentaram os congressistas.

Uma das pessoas se ajoelha e reza em frente PF em Curitiba Foto Giuliano GomesPR Press

(Uma mulher se ajoelha e ora em frente à PF, em Curitiba)

PUBLICIDADE

Escrito por News Report

Colunista de notícias, visando levar a informação à leitores diversos, através da internet, mídias sociais, redator de plataforma em diversos assuntos.