Sobrevivente da covid diz tirar uma lição disso tudo: “Dou mais valor a vida e as coisas mais simples como andar, escovar os dentes e se alimentar sozinho”, isso é uma riqueza

Hoje eu até encaro com um pouco mais de tranquilidade, porque venho me recuperando até que razoavelmente bem. Então não fico muito chocado com o que aconteceu comigo. Mas foi uma luta. Você olhar para trás e ver que teve 3% de chance de sobreviver.

PUBLICIDADE

Ricardo Lúcio Zoe de 50 anos contraiu covid-19 e precisou ser hospitalizado para tratamento, quando deixou o hospital após se recuperar do grave caso da doença Ricardo que mora em Suzano começou a dar valor para as coisas simples da vida.

Tarefas cotidianas como andar se alimentar sozinho é a maior vitória da vida, nada se compara com isso é uma grande riqueza poder se locomover e se alimentar, disse estar feliz por ter vencido essa doença e agora se recupera das sequelas.

PUBLICIDADE

Ricardo faz parte dos mais de 60 mil moradores do Alto Tietê que testaram positivo para covid-19, o primeiro caso registrado da doença foi no ano passado no mês de março, quase um ano a reportagem do G1 chegou a conversar com familiares de pessoas que enfrentaram a doença no início do ano passado mas que venceram.

Eles falaram sobre a luta e como estão atualmente após essa batalha contra a covid-19, Ricardo disse que muitas pessoas que vencem a doença acabam contraindo um quadro grave após a doença.

PUBLICIDADE

São as sequelas, ele faz parte desses que ficou internado no hospital e quando recebeu alta as sequelas o seguiram, ele tinha apenas 3% de chance de viver e venceu saiu do hospital e depois continuou lutando contra as sequelas da covid.

Agradece a Deus por ter dado essa oportunidade de viver e dá valor para as coisas mais simples da vida, Ricardo disse que a lição que ele tira de tudo isso é dar mais valor para as pessoas, para as pequenas coisas como se alimentar sozinho, tomar banho, andar.

PUBLICIDADE

Era o que ele mais queria fazer quando estava no hospital, fazer as coisas mais simples ele não mexia a perna não mexia o dedo e agora ele dá valor a tudo isso, a vida ficou mais simples.

O problema das pessoas é complicar a vida, Ricardo disse que já está com mais de 80% recuperado mas está se adaptando as rotinas que ele tinha antes da doença, não voltou ainda a trabalhar está afastado, suas condições motoras ainda não estão perfeitas, está realizando fisioterapia, mas acredita que em breve tudo estará bem e voltará as atividades.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Informe Cl

Colunista de notícias dedicada a escrever artigos de qualidade sobre saúde, TV, notícias de grande repercussão, notícias gospel e demais assuntos.