Traficantes obrigam sacerdotisa de 80 anos a quebrar as imagens de seu terreiro.

Sacerdotisa é rendida por traficantes e é obrigada a destruir as imagens de orixás de seu terreiro.

PUBLICIDADE

Nesta quinta-feira (11) , traficantes conhecidos como “bandidos de Jesus” renderam uma senhora de 80 anos por volta de meio dia, em Duque de Caxias e a obrigaram a quebrar as imagens de orixás que havia em seu terreiro.

A casa funcionava há 50 anos, pessoas próximas declararam que a senhora, sacerdotisa daquele local, ajudava com cestas básicas as famílias necessitadas, e é acolhedora com as pessoas.

PUBLICIDADE

A sacerdotisa ao atender a porta se deparou com os quatros criminosos armados que a renderam e a obrigaram a quebrar todos os símbolos e ainda ameaçaram voltar para colocar fogo na casa.

“Pondero, mais uma vez, que a intolerância religiosa é uma questão social, política, religiosa e precisa ser debatida com toda a sociedade. A liberdade religiosa é um direito de todos e garantido constitucionalmente. Exigimos o máximo de averiguação sobres os casos e respostas imediatas do poder público!!!”, disse Ivanir. Líder da CCIR (Comissão de Combate à Intolerância Religiosa).

PUBLICIDADE

Em uma reportagem que concedeu incrementou dizendo que não é só na baixada fluminense que casos como esse aumentaram, mas também na Região dos Lagos e na Zona Norte do Rio.

“ Temos mais de 200 casas ameaçadas, onde alguns foram expulsos e outros invadidos”O caso esta sendo investigado pela Delegacia de Combate a Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) e corre em sigilo. Onde já existe policiais averiguando o caso para levantar algum suspeito.

PUBLICIDADE

Ivanir prosseguiu declarando em sua entrevista que neste domingo (14) tera uma caminhada as nove horas da manhã, pela liberdade religiosa.

“ Se nada for feito, iremos fazer uma vigília na porta do governador, pois não tenho dúvida se fosse uma sinagoga ou uma igreja cristã a atitude do estado seria totalmente diferente”.

Nas redes sociais pessoas próximas a sacerdotisa, anunciaram sua lamentação.

“ Eu cresci pegando doces lá. A dona ajudava muitas famílias doando cestas básicas. Lamentável que tenham feito isso”.

Uma frequentadora diz que foi ali que aprendeu a respeitar os valores e fazer caridades e lamenta a atitude dos rapazes.

“…Aqui dentro deste espaço sagrado foi onde eu tive as minhas primeiras lições sobre o que é AMAR. Mas o caminho de Oxalá só Ele é quem sabe… Que com os novos ventos venha também a misericórdia de Oxalá para que eu consiga entendimento. Eparrey Oya!!! Te amo minha Velha!! Me socorra neste momento de tanta dor “

PUBLICIDADE

Escrito por Pedro Henrique

Amo escrever sobre todo o tipo de assunto, notícias e atualidades são minha paixão. Contato: [email protected]