Troca de mensagens revelam que gamer morta vivia em relacionamento abusivo com assassino

Uma troca de mensagens revela detalhes da relação entre Ingrid Bueno, gamer profissional assassinada aos 19 anos em São Paulo, e Guilherme Alves Costa, de 18 anos, que se entregou à polícia meia hora após cometer o crime, no dia 24 de fevereiro.

PUBLICIDADE

Uma troca de conversas revela detalhes sobre o que aconteceu com a Ingrid Bueno, a Gamer de 19 anos que foi morta por Guilherme Alves de 18 anos.

A conversa foi entregue à polícia, o pai de Ingrid conseguiu arquivos com várias mensagens e conversas entre os dois, para a polícia e os familiares a conversa prova que o rapaz tinha intenção de matar a jovem.

PUBLICIDADE

Em um dos arquivos Ingrid chega a dizer que está com suspeita de covid-19 e mesmo assim Guilherme insiste para se encontrar com ela, mesmo o teste ter dado o positivo.

Na sequência Guilherme disse que Ingrid deveria ser dele que deveria fazer parte do sacrifício, que naquele momento ela não entenderia nada estaria confusa com toda a situação, Ingrid rebate dizendo que aquilo não era um livro, Guilherme torna a dizer que em breve ela vai entender a real de todo o motivo dele está pedindo aquilo.

PUBLICIDADE

A justiça concedeu autorização para quebra de sigilo dos dados do celular de Guilherme, após o pedido da polícia e dos familiares, a polícia é quer entender se ele agiu sozinho, a perícia está sendo realizada no celular.

A promotoria aguarda os laudos do celular e também um laudo psiquiátrico foi realizado, pois a polícia acredita que o jovem sofre de transtorno, o rapaz escreveu um livro dizendo que fazia parte de um grupo e foi publicado na dep web, uma internet obscura.

PUBLICIDADE

Os advogados de defesa dizem que o jovem nega participar de qualquer tipo de seita ou que tenha um líder. O jovem teria falado para os advogados que estava fora de si não sabia o que estava fazendo, não pensou nas consequências de tudo que praticou e Ingrid teria vários problemas de depressão.

Guilherme foi denunciado por homicídio duplamente qualificado por motivo fútil, ele pode pegar mais de 30 anos de prisão.

O psiquiatra Isaac Efraim diz que não resta dúvida de que o jovem tem desequilíbrio psicológico, o exame de insanidade mental foi realizado, o resultado vai determinar a extensão da pena.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Informe Cl

Colunista de notícias dedicada a escrever artigos de qualidade sobre saúde, TV, notícias de grande repercussão, notícias gospel e demais assuntos.