Última hora: O impacto da praga de gafanhotos que atinge mais de 10 países

Um chocante surto de gafanhoto no deserto assola o chifre da África desde o final do ano passado.

PUBLICIDADE

 

Primeiro a seca, depois as enchentes e agora os gafanhotos “. Francisco vive no Quênia há quatro anos, ele é o coordenador regional da Oxfam e, portanto, define as conversas que ele ouve há dois meses. “Está sendo vivido como uma espécie de praga bíblica”, acrescenta ele em uma conversa no Skype.

PUBLICIDADE

 

Um chocante surto de gafanhoto no deserto assola o chifre da África desde o final do ano passado.

 

Embora já tenha afetado 11 países do continente, sua intensidade é muito maior em três deles, Quênia, Somália e Etiópia,

PUBLICIDADE

 

Após uma primeira onda, o melhoramento genético foi detectado nos últimos dias, o que significa que uma segunda grande invasão está se formando assim que o início da estação de cultivo se aproxima.

 

O problema surgiu, paradoxalmente, em uma das áreas mais inóspitas do planeta: o deserto de Rub al-Jali, na península Arábica.

PUBLICIDADE

 

Nesse território completamente desabitado, esses insetos se reproduzem livremente.

 

Três gerações nasceram em nove meses, fazendo com que o número de gafanhotos aumentasse 8.000 vezes acima do normal.

 

Eles então atravessaram o Mar Vermelho e o Golfo de Áden até o Chifre da África, onde os ciclones abundantes criaram o terreno fértil e perfeito para o aumento da reprodução.

 

Atualmente, a FAO trabalha em colaboração com os governos, em operações de vigilância e controle que incluem pulverização terrestre e aérea.

 

A escala da resposta está aumentando, mas não é suficiente e o surto pode se tornar uma praga se não for interrompido. “É necessária mais ajuda, solicitamos contribuições no valor de US $ 138 milhões, mas até agora apenas US $ 69 milhões foram recebidos ou prometidos”, explica Cressman.

 

Até agora, centenas de milhares de hectares, incluindo terras agrícolas e pastagens, já foram afetados.

 

Inibir outra rodada de reprodução é fundamental para evitar um desastre que já tem uma conseqüência clara: aumento da fome em uma região com altos níveis de escassez.

 

Somente na Etiópia, no Quênia e na Somália, existem 12 milhões de pessoas com insegurança alimentar aguda (ou seja, não tendo certeza se terão o que comer hoje); Se adicionarmos a este Sudão do Sul, Tanzânia e Uganda, onde os enxames de gafanhotos do deserto já passaram e podem retornar, o número de indivíduos em risco sobe para mais de 20 milhões.

PUBLICIDADE

Escrito por Redatora S Silva

Sou colunista de noticias, de famosos, tv, receitas, politicas e testemunhos e mensagens, reflexoes. Buscamos sempre o melhor, para que as notcias chega a tempo para todos.