Vendedor do Rio de Janeiro procura por mulher que lhe deu uma nota de R$100 por engano

A mulher entregou-lhe uma nota de R$100 pensando se tratar de uma nota de R$2, referente ao pagamento por um pacote de balas

PUBLICIDADE

Um vendedor de balas da Zona Oeste do Rio de Janeiro está procurando por uma cliente que lhe deu uma nota de R$100 por engano.

A mulher desejava pagar por um pacote de balas que custa R$2 e se confundiu, de acordo com Phellipe Guimarães, o vendedor em questão. Atualmente, ele está mobilizando as redes sociais para encontrar a senhora e devolver “troco”.

PUBLICIDADE

De acordo com Phellipe, ele deseja apenas devolver aquilo que não é seu. O ambulante ainda afirma que a mulher lhe ajudou ao comprar o produto que estava vendendo, mas lhe deu um dinheiro que não era dele.

PUBLICIDADE

Devido a honestidade do vendedor, a postagem viralizou. Em apenas cinco dias, a publicação já ultrapassa a marca dos três mil compartilhamentos. Em seu texto, Phellipe explica que quando a mulher lhe entregou a nota R$100, ele apenas a colocou na bolsa pensando se tratar de uma nota de R$2.Entretanto, uma vez que ele contou o seu dinheiro, percebeu que se tratava de uma nota de valor superior que estava dobrada.

A situação aconteceu na última quarta-feira (10), na Estrada Intendente Magalhães, em Vila Valqueire. O ambulante estava em um ônibus da linha 383 (Realengo-Praça da República) quando a senhora em questão o abordou e comprou dois saquinhos de bala. Ele até mesmo se lembra os sabores das balas vendidas a ela.

PUBLICIDADE

Embora tenta tentado correr atrás do ônibus quando percebeu o engano, Phellipe relata que não conseguiu alcançar o veículo.

A mulher foi descrita por ele como sendo uma senhora de cabelos ruivos e com uma tatuagem de borboleta nas mãos. O vendedor também pontuou que ela era branca e carregava uma bolsa com estampa de onça.

A respeito do caso, Phellipe revela que não estava esperando tamanha repercussão. De acordo com ele, a sua intenção era somente encontrar a mulher, mas tudo acabou ganhando grandes proporções e, atualmente, as pessoas o abordam nas ruas e tiram fotos com ele. Entretanto, a mulher em questão ainda não foi localizada.

Phellipe não considera a sua atitude algo nobre. Nesse sentido, o vendedor aponta que a sua atitude é algo comum e que todas as pessoas deveriam aderir em seu dia-a-dia.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Pedro Henrique

Amo escrever sobre todo o tipo de assunto, notícias e atualidades são minha paixão. Contato: [email protected]